quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Visita indesejada


O Brasil é a casa de mãe Joana! Num espaço de 15 dias, três nomes influentes do Oriente Médio passaram por aqui: o presidente de Israel, Shimon Peres, o presidente da Autoridade Nacional da Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, e, por fim, o líder iraniano Mahmoud Ahmadinejad que chegou em meio a protestos de várias comunidades.
O presidente do Irã aproxima-se da América Latina com o aval do caudilho venezuelano Hugo Chávez. Numa eleição pra lá de suspeita, Ahmadinejad garantiu, neste ano, um segundo mandato presidencial apesar de inúmeras atitudes polêmicas. O chefe de Estado é conhecido por torturar opositores políticos, sustentar economicamente países falidos como Cuba e Nicarágua, negar a existência do Holocausto e do Estado de Israel, transformar a homossexualidade em crime, sujeito à pena de morte.
É evidente que não compactuamos com as idéias de Ahmadinejad. Sabe-se que o comércio entre Brasil e Irão chega a movimentar US$ 2 bilhões ao ano, mas recebê-lo de braços abertos como um compadre, já é demais.
Alguém que nega o passado e não projeta o futuro para o seu povo, não nos acrescenta nada. Saímos a pouquinho de uma ditadura e estamos com muito gosto vivendo democraticamente. Com essa visita, creio que estamos enfiando a mão em caixa de maribondos.
Pena que a visita seja restrita aos gabinetes, pois seria bom que Mahmoud Ahmadinejad fosse ao Saara, no centro da cidade do Rio de Janeiro, comer esfihas entre judeus, mulçumanos, cristãos e umbandistas. Ver nossas mulheres sem burcas, já que os únicos véus conhecidos em nosso dia-a-dia são as cangas estiradas nas areias das praias.
Somos sim, casa de mãe Joana! Abrimos nossas portas àqueles que comem a nossa mesa e respeitam a liberdade de ser do povo. Já sofremos com uma ditadura militar que censurou-nos de ler, ouvir e gritar. Não há espaço neste país para visitas de ditadores. Seguimos por um longo caminho e hoje o Brasil é respeitado como nação, mas isso não nos dá o respaldo de sermos mediadores no Oriente Médio. Nossa pátria necessita de tanta coisa e nosso povo, ainda mais.
O jornalista José Roitberg, referindo-se a Ahmadinejad, disse: “– Você é professor. A história lhe interessa. Olhe para trás e veja onde estão Nasser, Saddam, Arafat, Assad e o que conseguiram. Pelo menos podia ser original em seu discurso”.
Ahmadinejad, que sua visita ao Brasil lhe sirva de aprendizagem. Olhe como somos harmoniosos em respeitarmos o outro por suas opções, seja lá religiosa, sexual ou política. Ainda temos problemas de difíceis soluções. Hoje já não somos um país de adolescentes, não acreditamos em milagres, mas construímos nossa sociedade no princípio do respeito, sem burcas, bombas e ódios. E temos o privilégio de ter Geyse e seu mini vestidinho rosa!

4 comentários:

Clarice disse...

Adorei este artigo!
Beijo.

Claudia Nunes Ribeiro disse...

Oi querida,
Concordo com seu artigo. Apenas uma coisa que esse cara doido falou que eu acho que dá pra tentar entender o outro lado da questão... "se o holocausto ocorreu na Europa, pq temos que ceder o nosso território?". Biblicamente falando, tá explicado que a terra é dos judeus, mas tentando pensar da maneira dele, até que faz um certo sentido. Acho que é por isso que tantas pessoas são a favor dos seus pensamentos. Eu não sou. Beijos.

Graça Carpes disse...

Ainda temos a mãe natureza, linda nessas erras e as pessoas de alma linda, igual você!
Voltarei.
)

Flávio disse...

Uma pessoa que agride o mundo inteiro negando o extermínio dos judeus, um dos maiores crimes contra a humanidade (talvez o maior) não é digno de ser recebido por aqui. E foi!

O Governo (Lula - o último mito brasileiro) tinha o direito de recebe essa pessoa aqui no Brasil??

E continua com 85% de popularidade...

Será que o povo sabe quem teve aqui???