sábado, 13 de fevereiro de 2010

Dos milagres

A Mário Quintana

Use patuás junto ao peito,
arruda nas orelhas contra quebranto,
olho grande e espinhela caída.

Teça um terço com louvor.
Espera a cura com paciência
pois a dor, nunca é passageira.

Seja insano.
Peça ao santo de devoção o perdão.
A dor é ardor, o milagre é ser são.

Um comentário:

Pedro Luso disse...

Fátima,

Gostei muito do seu poema 'Dos milagres', dedicado a Mário Quintana. Parabéns.

Abraços,
Pedro.