domingo, 26 de dezembro de 2010

O espírito do Natal


Essa coisa de Natal sempre me pega de jeito, tento resistir até o dia dez de dezembro, aí fico ensandecida porque não tenho uma árvore com bolinhas vermelhas. Corro para as Lojas Americanas e lá me encho com o espírito natalino. Monto uma guirlanda, armo presépio e passo a me sentir uma cristã nata. Qual o quê? Sou apenas mais uma entre milhões que se deixa contagiar pelas purpurinas natalinas. E não me venham com discursos ecologicamente cristãos.
Tenho um amigo que se veste de duende para agradar as criancinhas e o seu bolso com um ganho extra. Ele odeia duendes. Imagino também os milhares de Papais Noéis espalhados pelos shopinggs e vielas de comércio popular. Dezembro é um mês de um calor infernal, a gente olha para o bom velhinho e percebe o suor descendo pela cabeleira de nylon. Mas a causa é justa para todos.
Para os que ficaram preocupados com a questão da caprichada refeição da noite de Natal, vale lembrar que a comida, nesse caso, é um grande pretexto para unir, numa mesma mesa, parentes e amigos. Mesmo que esta seja a última ceia da família reunida.
A coisa começa com o discurso: “peça perdão pelos erros e desentendimentos. O nascimento de Cristo é época de comunhão e entendimento”. Não há Cristo que apazigue um grupo de bêbados cheios de mágoas e recalques. Melhor é começar a troca de presentes na melhor e mais barata forma de não se gastar muito e desagradar de vez o seu “quase amigo oculto”. Afinal o valor estipulado é sempre baixo. Dá para sentir o desgosto na cara de todos.
No dia seguinte o peru adormecido entala, azias, males do estômago e o lugar comum é o banheiro, onde todos confraternizam suas merdas de vidas. Provavelmente nem todos os natais são trágicos, mas o fim sempre nos leva a sonhar que no próximo ano cada um passará no seu canto, e o máximo que podem se aproximar, é através das redes de relacionamentos, com uma webcam.
Relendo as frases acima, percebo que corro o risco de ser mal interpretada. Se há uma característica que aprecio no cristianismo é a sua visão para o marketing. É preciso ser muito bom para transformar uma simples dissensão de uma religião complicada e impopular como o judaísmo numa das fés mais seguidas e difundidas no mundo. A liturgia natalina ilustra bem a vocação mercadológica do cristianismo.
Não há como fugir ao apelo das luzinhas, do pisca-pisca made in China, dos megacongestionamentos de carros nas grandes cidades até os indefectíveis pedidos de caixinhas de fim de ano. Sem querer decepcionar e criar desafetos e inimigos, enxergo nessa época do ano alguma alegria e prazer, principalmente quando acabo de montar minha árvore. Afinal, faço parte do grupo de consumo involuntário.
É evidente que com o passar do tempo, nós nos tornamos mais sábios, mais chatos, mais lúcidos e abrimos os olhos para os meios tortos e corruptos sobre o qual opera a mágica do Natal, a esperança do ano novo. A parte artificial que move as festas de final de ano fermenta em mim uma vontade louca de ser uma fênix, virar cinza somente para retornar à vida, firme e operante – envolvendo, lentamente, em chamas minhas esperanças através do ano que chega.
Para Tiago L. Garcia, “este núcleo ético e estético do Natal é profundo neste sentido: profundo enquanto refletem o anseio estético de muitos homens por uma vida plena de conforto, prazer e alegria (que é tostar uma maçã e acordar tarde em dias de inverno, como nos sugere Walter Benjamim); é ainda mais profundo quando aponta que o conforto, a alegria e o prazer somente são legítimos, eticamente e esteticamente, através da bondade - da divisão material daquilo que proporciona o conforto e o prazer até que, como diria Hegel, não falte cobertores a ninguém”.

2 comentários:

Amapola disse...

FELIZ 2011!!!

BEIJOS NO CORAÇÃO.

Mauro Luiz Senra Fernandes disse...

Olá Fátima!!!!

Saudade de você, de seus textos e de sua alegria...

Desejo-lhe afeto... bem precioso.